Daniel Werneck é a nova aposta da Grande Rio para o posto de primeiro mestre-sala

Com 25 anos de idade e com duas tradicionais escolas de samba na bagagem, Daniel Werneck chega à Grande Rio com a motivação de um jovem promissor e com a serenidade de um mestre sala que já pisou 14 vezes na Marquês de Sapucaí. Mas somente agora Daniel vai estrear no grupo especial, e logo defendendo as cores da maior agremiação de Duque de Caxias. Carioca, morador de Del Castilho, a promessa da Grande Rio para os próximos carnavais chega com muita vontade de se firmar definitivamente no posto de primeiro mestre sala. O jovem talento conversou exclusivamente com o site da Grande Rio e falou sobre a sua trajetória no mundo do samba. Com a luxuosa ajuda de Priscila Mota e Rodrigo Negri, recém-contratados para assumirem a comissão de frente, Daniel Werneck e Verônica Lima ensaiam exaustivamente para garantirem os 40 pontos do quesito. Nesta nova etapa de sua carreira o jovem mestre sala avança em direção a um futuro de sucesso, onde as cores verde, vermelha e branca começam a tingir esta trajetória.

1)  Como foi seu primeiro contato com o mundo do samba e como surgiu sua relação com a dança? 

Meu primeiro contato com o samba foi aos meus nove anos de idade, quando uma vizinha me levou, pela primeira vez, na quadra de uma escola de samba, o Acadêmicos do Salgueiro. Quando entrei na quadra havia uma multidão de crianças sambando e fiquei encantado. Logo fui perguntando à minha vizinha do que se tratava aquela criançada toda sambando. Ela me perguntou se eu queria me juntar à molecada e eu disse que sim, e sem saber sambar eu entrei no meio da multidão e comecei a dançar. A partir daí desfilei dois anos, 1998 e 1999, na escola mirim Aprendizes do Salgueiro, como componente de ala.
No ano de 1999 eu havia feito primeira comunhão e como a roupa era toda branca resolvi ir direto pro ensaio do Aprendizes do Salgueiro. Como as cores da escola era vermelha e branca, me avistaram com calça e sapato brancos e me puseram pra dançar de Mestre sala com a terceira porta bandeira. Sem nunca ter dançado como Mestre Sala arrisquei alguns passos (risos) e, para a minha felicidade, no Carnaval de 2000 eu estreava como Terceiro mestre sala mirim do Aprendizes, onde fiquei até o ano de 2007. Ainda no ano de 2006 eu havia me tornado terceiro mestre-sala do Acadêmicos do Salgueiro.
No carnaval de 2009 eu passei a ser o segundo Mestre-Sala do Salgueiro onde fiquei até 2011. Em 2012 eu estreava como primeiro Mestre-Sala da Estácio de Sá, escola da série A do Carnaval carioca, onde me mantive na agremiação até o carnaval de 2014.

2) Você tem o apoio da sua família?
Sim, a pessoa que mais me apoia é a minha avó Tereza.

3) Como foi a sua vinda para a Grande Rio?
Minha vinda para a Grande Rio foi através do meu trabalho e de alguns olheiros da escola que viram meu desempenho no desfile da Estácio e resolveram me dar a oportunidade de representar a tricolor de Caxias como o primeiro Mestre-sala.

4) E como foi sua chegada à agremiação de Caxias? Você está sendo bem recebido?
Fui muito bem recebido pela direção da escola e por alguns componentes, pois ainda não conheço toda a escola. Mas confesso que estou sendo muito bem tratado aqui.

5) Como é sua relação de parceria com a Verônica Lima?
Está sendo maravilhosa. Nossa relação de parceria vem crescendo a cada dia, além de ser pra mim uma das melhores porta bandeira, Verônica tem me ajudado muito. A cada ensaio ela me passa sua experiência com a dança, e, sem contar que a cada semana ela traz uma ideia nova para o nosso trabalho.

danver.png

6) Este ano você vai estrear no grupo especial, e logo em uma grande escola como a Grande Rio. Como você está se preparando psicologicamente para isso? Você já se sente preparado?
Estou me preparando psicologicamente através dos meus ensaios com a Verônica. Estamos buscando a mais perfeita sintonia para que no dia do desfile eu possa estrear com toda garra e força necessária. Hoje me sinto preparado por conta da minha experiência que adquiri na Estácio de Sá.

7) Como é o ritmo de ensaio e como você faz para manter o corpo em forma?
Meu ritmo de ensaio com a Verônica está sendo três vezes na semana, com a ajuda da Priscilla Mota e do Rodrigo Negri, coreógrafos da comissão de frente da Grande Rio. Para manter o corpo em forma eu malho e tenho uma alimentação regrada.

8) Quais as diferenças que você sentiu na Grande Rio em relação às outras agremiações por onde você já esteve?
A diferença é que a Grande Rio, além de ser uma agremiação muito Familiar e acolhedora, é uma escola muito séria e vejo a garra que a escola tem em querer buscar o melhor sempre, as cobranças para que as coisas funcionem na mais perfeita maestria, a preocupação que eles têm com os profissionais e a estrutura e suporte que dão pra todos nós.

9) O que você espera da Grande Rio?
Espero que toda a escola goste do meu trabalho, pois estou me dedicando ao extremo para trazer a nota máxima para a Grande Rio e espero que essa parceria dure por muitos anos.

10) Você também gosta de outros ritmos musicais? Quais?
Sim, sou eclético gosto de todos os ritmos.

 

11) Quem é seu ídolo no mundo do samba?
Meu ídolo é o Mestre Sala Ronaldinho (Reinaldo Teixeira Alves – In Memoriam), uma pessoa que me ajudou muito no mundo do samba. Se hoje cheguei a algum lugar, devo tudo isso a ele, pois foi o mestre na arte da dança de Mestre-Sala.

Samba enredo 2018 GRANDE RIO